Muitos gestores e empresários quebram a cabeça para entender como funciona o vale-refeição e como controlar o pagamento do auxílio. Porém, a boa notícia é que o avanço tecnológico em torno desse incentivo já é realidade. Assim, é possível contar com operadoras de cartões que agilizam o trabalho do setor de RH (Recursos Humanos) com portais online e aplicativos.

Desse modo, os colaboradores não dependem do RH para consultar saldo, para recarregar os cartões nem para gerenciar o consumo. Tudo é feito pela internet.

Aliás, existe até um cartão multibenefícios que reúne todos os estímulos que a organização oferece em um só lugar. Assim, o funcionário pode passá-lo em vários tipos de estabelecimentos conveniados, de farmácias a supermercados e restaurantes.

Bom, mas eu te convido a voltar para o nosso assunto de hoje: entender como funciona o vale-refeição e quais são as suas vantagens para os negócios! Você sabia, por exemplo, que esse benefício se transforma em desconto no imposto de renda da empresa? Isso mesmo! Quer saber mais? Então continue a leitura!

1. O que determina a legislação?

O vale-refeição não é uma obrigação do empregador, mas pode ser bastante vantajoso, de modo que grande parte das empresas escolhe concedê-lo.

Na realidade, esse benefício foi criado em 1976 pela Lei 6.321, que estabeleceu o PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador). Além disso, as corporações têm o direito de abater até 20% do salário-base de cada colaborador ao fornecer esse auxílio.

Mesmo não sendo compulsório, quando as companhias fazem acordos com sindicatos no sentido de oferecer a regalia, esse compromisso assumido tem de ser respeitado.

2. Quais são as vantagens desse benefício às empresas?

Outra dúvida bastante comum entre os empreendedores é saber como funciona o vale-refeição em termos de retorno para a companhia. Compensa mesmo fazer esse investimento? Sim, o vale-refeição apresenta inúmeros ganhos para reforçar as equipes profissionais, tanto retendo como atraindo novos talentos. Veja a seguir algumas dessas vantagens:

2.1 Equipes mais motivadas

A ajuda financeira para as refeições contribui para promover o bem-estar no trabalho. Afinal, os colaboradores sentem que a empresa se preocupa com o bem-estar do time. Isso desperta uma sensação de pertencimento e valorização incrível. E tem mais: equipes mais satisfeitas são mais produtivas e eficientes!

2.2 Desconto no imposto de renda

A Lei do PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador) permite que as empresas adeptas do vale-refeição tenham abatimentos de até 4% em seus impostos.

2.3 Retenção de talentos

Assim como outros cartões de benefícios, o vale-refeição é um diferencial competitivo na hora de a empresa encontrar novos talentos para reforçar seus quadros.

Além disso, esse auxílio reduz a rotatividade, o que é excelente para economizar com processos seletivos, rescisões trabalhistas e novos treinamentos.

2.4 Segurança e transparência

Os cartões de vale-refeição hoje em dia são atrelados a ferramentas tecnológicas. Assim, o consumo dos créditos só é autorizado por meio de senha e cartão individual para cada usuário.

Mais uma vantagem é que o trabalhador pode consultar os detalhes do uso de seu vale em portais e apps. Ou seja, o benefício é entregue com total transparência e segurança para os times. Assim, isso ajuda a fortalecer o relacionamento “empresa-colaborador”, algo que só favorece o desempenho.

3. Quais são as diferenças entre vale-refeição e vale-alimentação?

O vale-refeição é utilizado para adquirir comida pronta para o consumo. Ou seja, ele serve para almoço, jantar ou café da manhã em restaurantes, padarias, lanchonetes e similares.

Por sua vez, vale-alimentação é para qualquer tipo de aquisição de comida, mesmo aquela que se compra em supermercados. Em outras palavras, o vale-alimentação é como se fosse uma cesta básica, mas em formato de crédito no cartão.

Apesar dessa diferença, no cotidiano, a maioria dos estabelecimentos aceita os cartões para as duas situações mencionadas.

4. Como administrar a concessão desse suporte aos colaboradores?

Ao decidir proporcionar esse auxílio para seus times, é necessário planejar e gerenciar os benefícios muito bem. Esses passos são importantes para evitar prejuízo financeiro para a corporação e insatisfação nas pessoas. Afinal, problemas com a liberação de saldos ou mesmo com a aceitação nos estabelecimentos deixam o colaborador inquieto e ansioso.

Sem os devidos cuidados, o vale-refeição pode se tornar um problema ao invés de trazer todas aquelas vantagens que mencionei há pouco. Mas não se desespere: eu vou te dar algumas dicas de ouro sobre como funciona o vale-refeição de ponta a ponta. Observe:

  • inscrição no PAT: o empregador deve entrar no site do PAT e fazer a inscrição no programa, preenchendo os campos solicitados;
  • definição do valor: faça uma pesquisa nos arredores de sua empresa para saber a média de preço de um prato feito na região. Nesse sentido, o meu conselho é não oferecer um valor abaixo dessa média para cada refeição. Assim, você garante que o benefício de fato cumpra seu papel social;
  • avaliação da cobertura: antes de fechar o contrato com uma empresa administradora de cartões, pense bastante na quantidade de estabelecimentos conveniados. É bom que o vale-refeição seja aceito pelo menos no bairro onde a empresa funciona. No entanto, se a sua organização trabalha com serviços externos recorrentes, talvez seja necessária uma rede de parceiros mais ampla.

5. Como funciona o vale-refeição na prática?

O valor total referente ao mês de trabalho é recarregado no cartão de vale-refeição do trabalhador na data em que a empresa definir. Depois de liberado esse saldo, a cada vez que o colaborador usar o benefício, a quantia consumida é deduzida do montante global.

Na maioria dos casos, quando o funcionário não utiliza a totalidade do benefício, os pontos acumulam de um mês para o próximo.

6. Como selecionar a operadora de cartões de vale-refeição?

Na hora de escolher a empresa de benefícios, existem vantagens no mercado para você ficar de olho. Por exemplo: a personalização do cartão, a isenção de taxas para a gestão dos créditos e até mesmo o cashback quando parte do investimento volta para o bolso do cliente. Veja abaixo alguns pontos que podem pesar na sua decisão:

  • planos sem taxas: nesse segmento, é comum que sejam cobradas taxas mensais ou anuais pela gestão dos créditos nos cartões dos trabalhadores. Por isso, encontrar parcerias que ofereçam isenção nesse serviço é um importante diferencial;
  • personalização dos cartões: outra questão interessante para avaliar é o cartão de benefícios personalizado. Com esse serviço, você oferece cartões com a sua marca, valorizando suas cores e logotipo. Além de ser uma propaganda gratuita, esse cuidado a mais costuma ser muito bem-visto pelos funcionários;
  • convênios: algumas empresas de cartões dão descontos para outros tipos de serviços, como exames médicos, consultas odontológicas e cursos em instituições de ensino EAD (Educação a Distância);
  • cashback: você pode conseguir contratos com cashback de 0,5% a 1,3%. Portanto, antes de tomar a decisão, verifique se a parceira candidata conta com esse recurso;
  • bloqueio para uso indevido: também é interessante que o sistema de cartões do vale-refeição disponha de recursos antifraude. Assim, ninguém conseguirá usá-lo indevidamente para o pagamento de despesas que não tenham a ver com a alimentação.

E aí? Conseguiu entender direitinho como funciona o vale-refeição? Como você já deve ter notado, a medida traz benefícios valiosos, como satisfação nas equipes, a retenção de talentos e descontos no imposto de renda!

Em outras palavras, você pode economizar e ainda por cima estimular seus times! Agora, se quiser cashback, cartão personalizado, descontos, convênios e isenção de taxas, entre em contato com a Eucard agora mesmo!